sexta-feira, 24 de abril de 2015

Meias verdades, mentiras deslavadas


No desespero do marketing político do PT, para iludir a opinião pública,
há diversos argumentos que não se sustentam, mas são repetidos
à exaustão. Em geral, os argumentos promovem a alienação política,
como se colocar a cabeça dentro do buraco afastasse o perigo.
Vamos a alguns.

1) "Nunca se investigou tanto como no governo Dilma".

Vamos começar pelo argumento mais ridículo.
Inicialmente, por que a investigação não é mérito do governo, mas
da Polícia Federal, do judiciário, do Ministério Público.
E depois, por que os presos e condenados, tanto no mensalão
quanto no escândalo da Petrobras, são do governo Lula e Dilma.

2) "O Juiz Moro não é isento, pois sua mulher foi assessora do PSDB".

O juiz reage a solicitações da Polícia e do Ministério Público.
A prisão de Vaccari, por exemplo, foi solicitada pela força tarefa do
Ministério Público. O juiz solicitou mais informações e somente depois da análise tomou a deliberação. A tentativa de questionar o juiz é uma
tentativa de invalidar a autoridade do judiciário.

Para casos de decisões suspeitas de juízes existe no Brasil uma coisa
chamada segunda instância. Os desembargadores estão
sistematicamente confirmando as decisões de primeira instância. 
A prisão de Vaccari, por exemplo, foi confirmada ontem
pelo tribunal federal TRF4 em Porto Alegre.

Assim, ou a mulher de Moro tem muitos amantes,
ou o PT terá de achar mulheres suspeitas
na Polícia Federal, no TRF, no Ministério Público,
no Supremo...

3) "Todos os partidos são corruptos, por que apenas o PT é investigado?"

Aqui se trata do "processo de justificação do corrupto perante
o tribunal de sua consciência". A frase correta seria: "Todos os partidos são investigados, por que será que somente o PT é condenado?  Por que será que apenas o PT tem um presidente e dois tesoureiros presos?"

É a tentativa de tornar o corrupto vítima do sistema que o condena.
O que mais me envergonha nesta frase é que, como
Joaquim Barbosa do STF, fui eleitor histórico do PT,
acreditando que havia uma diferença entre Lula e Maluf.
Agora constato, estarrecido,  que Lula e o PT
malufaram vergonhosamente. Não há distinção entre
a corrupção de Lula e a corrupção de Maluf.

Na defesa do partido esta semana Tarso Genro imputa uma suposta perseguição ao PT a um regime de exceção "instrumentalizado politicamente pela burocracia estatal, por setores do poder Judiciário e pelo Ministério Público para derrotar o que resta da utopia democrática de esquerda".

Não. O que derrubou definitivamente a "utopia democrática de esquerda"
foi o mau-caratismo de um partido corrupto.

4) "Esta é a reação da direita e classes privilegiadas irritadas por ver negros nas universidades e nos aeroportos"

A propaganda do PT neste momento beira à insanidade.
É perigosa, por incitar o ódio social, e mentirosa, por não
possuir nenhuma base estatística.
De onde tiraram esta afirmação?
Que dados há que minimamente comprovem a afirmação?

Querem condenar todos os que não mais acreditam em
suas inverdades. Acusar de "direita", "elite", é o argumento
predileto dos que não possuem argumentos, explicações e
preferem fechar os olhos e manter sua alienação.

As estatísticas mostram o contrário.
Os que hoje questionam o governo e afirmam que
Lula e Dilma sabiam dos esquemas de corrupção, são muitas
vezes eleitores históricos do PT, ex-militantes envergonhados
com o uso dos ideais que sonhamos, para o vil enriquecimento ilícito.
Individual, como o do filho do Lula e os aliados do PP e do PMDB, ou para o financiamento ilícito do partido, como proposta para se perpetuar no poder.

A rejeição à Dilma cresceu vertiginosamente
entre todas as classes sociais, entre os eleitores de todos os partidos.
Não se alcança 62% de rejeição a toa.

5) "A culpa é da Globo, imprensa golpista, PIG"

Esta é uma pérola infantil nesta fieira de argumentos insanos.
Me parece tão infantil que não mereceria ser discutida.
Entretanto, esta talvez seja a mais perigosa pelo seu potencial de alienação.
Os alienados de ontem acusavam a imprensa de ser "esquerdista".
Os alienados de hoje a acusam de ser "direitista".

Ambos, os que antes defendiam a ditadura militar
e os que hoje defendem ou são coniventes com a corrupção do PT,
têm algo em comum: a prática nazista, fascista e stalinista de
anular os que pensam diferente, anular o debate e as opiniões divergentes.
Hitler, Mussolini e Stalin fazendo seguidores entre
os que se dizem "de esquerda".

A imprensa sempre terá um potencial de tender
para um lado. Esta não é a questão.
Mas a verdade sempre aflora, ao final.
O problema é que não há como negar
os fatos que são revelados todos os dias.
Assim, a militância petista precisa de
um argumento para enfiar a cabeça no
buraco e, alienada, esquecer as denúncias.

6)  "São brancos, homens e elite"

Fiquei observando a foto oficial do ministério da Dilma...
Fiz uma busca nos articulistas do folhetim Carta Capital,
incluindo aqueles mais virulentos contra a "elite de direita",
representados pela elite branca européia, como
Boaventura de Sousa Santos, Leonardo Boff, etc...
Homens, brancos e elite...  Onde está o argumento?


3 comentários:

Vicente De Luca disse...

concordo com praticamente em tudo, farei uma ressalva apenas quanto a "Não há distinção entre
a corrupção de Lula e a corrupção de Maluf."

eu acredito que haja duas distinções.
primeiro em escala, sendo os episódios recentes de proporção inimagináveis, de deixar Maluf com inveja.

segundo no propósito. Maluf jamais teve pretensão de sustentar um projeto de poder autoritário e socializante.

Abraços e continue a nos presentear com posts de grande lucidez.

Ulisses Leitão disse...

Concordo!

Alem Martins disse...

Muito bom o post Ulisses. É tudo aquilo que pensamos mas não temos esta capacidade para escrever.